Posts Tagged ‘foto de Edson Kumasaka

07
jul
14

Os Mitos e Lendas continuam…

Para quem pensou que nossos mitos e lendas acabaram no post passado…se engana!

Ainda temos…

O Boto, para quem não sabe, o boto é um mamífero parecido com o golfinho que vive nas águas dos rios. O boto cor de rosa que deu origem a esta lenda, é encontrado nas águas da Bacia Amazônica brasileira e na bacia do rio Orinoco na Venezuela.

Reza a lenda que ao anoitecer, o Boto se transforma em um belo rapaz alto e forte, que sai das águas a procura de diversão, festas e uma namorada. Baladeiro, o Boto, tem de voltar para o rio antes do amanhecer, quando se transforma em boto novamente…

Algumas pessoas dizem que o Boto se transforma num rapaz elegante e bem vestido que usa chapéu (para esconder o orifício que possui na cabeça).

Na balada ele, geralmente, seduz uma mulher bonita, a convida para dançar e depois saem para namorar…

Antes do amanhecer ele retorna ao rio e a mulher não o vê mais. E pouco tempo depois… descobre que ficou grávida do Boto

Dizem que ele adora as índias e tem “uma queda” por mulheres com roupas vermelhas.

 

Saci- Perere , devido a sua personalidade, só pode ser descrito assim:

É um menino negrinho,  levado e arteiro. Só tem uma perna mas salta para lá e para cá o dia inteiro…

A carapuça vermelha o deixa invisível, adora traquinagens e se acha invencível…

Fuma cachimbo e tem joelho machucado. Mas não se engane, não é nenhum coitado…

Ele mora no mato e dele toma conta. Com os caçadores desavisados ele sempre apronta…

É bom, mas é bagunceiro. Diverte-se com a confusão e some com objetos. Faz trança nas crinas dos cavalos e adora bagunçar o fogão…

Se o leite queimar, a comida estragar, pode ser coisa do Saci!

O Saci adora assobiar. É o seu jeito de marcar presença. No meio de um redemoinho de areia, chega fazendo bagunça.

Andrea Crivellari

Andrea Crivellari

Iara, para alguns Mãe d’água, é uma lenda de origem indígena, muito comum na Amazônia.

Iara é uma sereia. E como toda sereia ela hipnotiza os homens com seu canto e seu olhar. O homens lançam-se nas águas para irem ao seu encontro e de lá não retornam…

E como tudo tem seu lado B, contam os índios da Amazônia (reza a lenda) que Iara era uma linda índia guerreira e os irmãos, com ciúme dela, tentaram mata-la. Iara que ouviu o plano deles, se adiantou… foi punida pelo pai que a atirou no rio Solimões. Onde os peixes que ali estavam a salvaram. Como era noite de lua cheia, foi transformada numa linda sereia.

 

E nossa última lenda é a do Boitatá

Seu nome vem da língua indígena e quer dizer cobra de fogo.

Dizem que durante o dia o Boitatá é cego; não enxerga nada. Mas sua visão é perfeita à noite.

Reza a lenda que certa noite a lua não apareceu, nem as estrelas do céu. A escuridão era total; um breu. Passado algum tempo, o dia não surgiu, pois o sol não apareceu. Ficando tudo na escuridão por alguns dias…

As pessoas que moravam nos vilarejos estavam passando fome e frio, pois não havia como cortar lenha ou caçar naquela escuridão. E para piorar tudo, começou a chover sem parar.

A chuva inundou tudo e muitos animais acabaram morrendo.

Uma cobra boiguaçu que dormia num imenso tronco  acordou faminta e começou a comer a única coisa que enxergava, os olhos dos animais mortos que brilhavam boiando nas águas (alguns dizem que devido a luz do último dia em que viram o sol).

De tantos olhos brilhantes que a cobra comeu, ela ficou toda brilhante como fogo e transparente.

A cobra se transformou num monstro incandescente; o Boitatá.

Dizem que o Boitatá assusta as pessoas que viajam a noite pela floresta. Muitos acreditam que o Boitatá protege a mata contra incêndios.

De qualquer modo, se você encontrar o Boitatá use óculos escuros ou feche os olhos e fique bem parado…quase sem respirar.

Anúncios



Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 328 outros seguidores

@deacrivellari

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.